/*SLIDES ----------------------------------------------- */

news

Inhotim tem que entrar na sua programação

Quando ir à Inhotim | A melhor época para conhecer Inhotim


Foto do site oficial
Com certeza na quarta feira, além da entrada ser gratuita, é um dia de pouco movimento, logo vem o segundo conselho: evite ir nos finais de semana, onde o lugar é abarrotado de gente.

Juntamente a isso, a melhor época para se conhecer Inhotim com certeza será na primavera, já que Inhotim é 90% jardim, 10% museu.

Mas se tem algo que vai determinar a melhor ida ao local é o florescimento de uma rara espécie de flor que só floresce de tempos em tempos. É algo indeterminável, mas que se você souber que está acontecendo, você deve aproveitar a oportunidade e ir.

E se você já foi a Inhotim e viu a flor rara, por favor, deixe seu relato nos comentários!

Nota: como a maioria das coisas em Minas Gerais, Segunda feira não há visitação.

Como ir para Inhotim


Viva a primavera
De carro:  A estrada não é das melhores. Saindo de BH, você passa pela BR 381 (Rodovia Fernão Dias) como se estivesse indo para São Paulo. Depois de meia hora ou um quilômetro e meio depois da casa da polícia vai ter uma placa bem grandona
na estrada dizendo: Inhotim.

Você vai virar à esquerda por debaixo de um viaduto, seguir por uma estradazinha, que dará numa pequenina cidade chamada Mário Campos e não tem mais erro, é só ir pedindo informações aos moradores locais, porque a sinalização não é tão boa assim, mas a hospitalidade mineira predomina neste lugar.

São 40 minutos de viagem e 60km de chão.

De ônibus: Da rodoviária de Belo Horizonte saem os ônibus da Saritur de terça feira a domingo (dias de funcionamento do museu) às 9:15 horas. A volta pontualmente às 16:15 (terça a sexta) ou 17:00 (sábado e domingo), por isso fique esperto para não ficar para trás. A passagem de ida custa R$ 16,45 e de volta R$ 16,05.

A viagem demora uma hora e meia tanto na ida quanto na volta. Já fiz um bate e volta de ônibus e valeu a pena. A vantagem é que dá para dormir na volta, pois seu corpo estará muito cansado e precisará de uma soneca (consequência do coma cultural, talvez). Apenas considere que você vai chegar lá uma hora e meia depois da abertura do museu e vai ter que sair mais cedo.

Quantos dias para conhecer Inhotim - Os hotéis de Inhotim | Onde ficar em Inhotim | Melhor custo benefício de Inhotim


Como você viu, esse é um passeio bate e volta, mas Inhotim é grande, então... se quiser conhecer e aproveitar um pouquinho de tudo, um dia está de bom tamanho. Se prefere conhecê-lo bem, reserve dois dias. Mas se quiser conhece-lo a fundo, acho que uns quatro dias mata sua fome de arte contemporânea. Mas eu acho que ninguém tem esse vício incontrolável por obra de arte.

O tempo que você vai gastar em Inhotim vai depender de seu interesse e da sua disponibilidade (óbvio). Nós fomos para passar um dia.

Eu já fui lá três vezes e ainda assim tenho uma pulguinha atrás da orelha para saber o que mais tem para conhecer (mas estou sobrevivendo a isso).  Falo isso para que você entenda que independente de quantos dias você vai reservar para conhece-lo, a visita sempre será um pouco corrida, porque você sempre irá querer saber o que há por trás do muro.

Se você for conhecer em dois dias, saiba que o planejamento para novos hotéis ao redor de Inhotim está a todo vapor. Mas já existem inúmeras outras opções te esperando. No site do Instituto tem várias opções de pousadas perto no museu, mas você também pode optar por ficar em Belo Horizonte e ir para Inhotim com o ônibus que sai da rodoviária.

Leve em consideração que a cidade de Brumadinho (onde fica o jardim) não é turisticamente bonita. Não há muito o que fazer por lá a não ser visitar o instituto; e considerando que ele encerra a visitação as 18:30, compensa mais ficar em BH e visitar os atrativos noturno da capital.

Vou deixar aqui o atalho de pesquisa do Booking, que é o site que eu uso para pesquisar hotéis porque ele oferece benefícios para quem o utiliza.

Booking.com

 

Carrinho – Como andar por Inhotim


Inhotim é muito grande, então costumados dizer que você pode fazer a visita a parte central ou as áreas periféricas.

Já adianto que não é permitido entrar com bicicletas, patins e outros equipamentos esportivos. Apesar de que penso que pelo preço da entrada, eles deveriam disponibilizar bicicletas para os visitantes (com espaço para guardar as bicicletas em todos os prédios). Claro que isso exigiria toda uma reorganização do jardim, mas...

Assim que você entra, eles te dão um mapa que é impossível de entender. Inhotim é mal sinalizado, não dá para se achar fácil ali.
Foto de uma outra vez que fui a Inhotim

Se você vai visitar a área central, vá a pé. Se você optar por conhecer as regiões periféricas do museu, com certeza te indico pagar a taxa de R$ 20,00 (per capita) para andar de carrinho. A caminhada é a melhor parte do passeio, mas é muito chão para andar. Serão R$ 20,00 muito bem investidos.

Claro que você pode ir andando a pé por todo o parque, mas acho uma economia desnecessária, porque mesmo com o transporte interno, você ainda precisa andar pelas belas paisagens, e além do mais, andar de carinho o tempo todo não precisa ser uma regra. Use só quando quiser.

O carrinho funciona mais ou menos como um ônibus. Você pega em um ponto determinado e desce em outro ponto determinado. Você pode pagar pelo carrinho na recepção ou em qualquer parada do carrinho. O comprovante que você pagou o carrinho é uma pulseira que eles te dão. A pulseira é o passe.

E assim como os ônibus, os carrinhos não são exclusivos, vai você e quem mais estiver no ponto esperando. Há a opção de alugar um carrinho só para você (R$ 160,00 reais por hora, com direito a até 8 pessoas), mas não compensa.

Nota: Pessoas com dificuldade de locomoção podem usar o serviço gratuitamente, com direito a um acompanhante.

E para facilitar sua visita e compreensão das obras, o Inhotim oferece gratuitamente os seguintes serviços:

Vista (geral) panorâmica com informações sobre arte e botânica, que acontece todos os dias, com saída da Recepção as 11h ou as 14h. Dura em trono de 1:30.

Você só vai entender a obra "Jardim de Narciso"
se conhecer a história do personagem
Visita temática ambiental, que acontece somente aos sábados, domingos e feriados, com saída da Recepção as 10:30 e duração de 1 hora.

Visita temática de arte, que envolve uma reflexão sobre os artistas e as obras do acervo. Que também é só no sábados, domingos e feriados, as 14:30 e duração: 1 hora.
Mas se você não quiser ficar preso ao roteiro dos guias, você pode ir visitando as galerias e ler as explicações que a entrada de cada obra tem. Eu acho que ninguém lê aquilo, aí perde a “viagem” do artista para ter feito aquilo. Há guias que explicam as obras, mas nem sempre eles estão disponíveis, então vale a pena ler o descritivo das obras.

Não basta apenas ver a obra, porque assim você não verá significado nela, você tem que entender o significado.




http://blogueiraaaa.blogspot.com.br/2016/08/inhotim-um-poco-de-arte-em-brumadinho_5.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário